quarta-feira, 4 de abril de 2012

Adeus, Mário Palma!! Adeus, Xenofobia!!



Aqui podem ler, na íntegra, a recente entrevista de Mário Palma publicada na RTP/LusaSapoExpressoVisão, entre outros media. Dada a profunda gravidade e irresponsabilidade das declarações proferidas, aqui transcrevo as "pérolas" de uma das entrevistas mais xenófobas que já tive a infelicidade de ler: 

"se não houver condições claras para que os portugueses possam jogar muito mais tempo no campeonato, então pessoalmente não tenho interesse nenhum em continuar a trabalhar na seleção nacional" - não me parece que seja criando condições artificiais (em que os sobrinhos "coxos" jogam contra os primos "mancos" durante 40 minutos) nem ignorando as actuais leis Europeias (em que um cidadão europeu tem os mesmos direitos que um cidadão nacional em toda a Europa) que se vá conseguir elevar a qualidade dos jogadores portugueses. Deve ser com o trabalho sério, honesto e competente dos Treinadores e com um contexto de superação criado pelos Dirigentes que tal se conseguirá. Que, "pessoalmente", Mário Palma não tem "interesse nenhum em continuar a trabalhar na seleção nacional" já todos o tínhamos percebido quando trocou esta (suposta) missão por uns valentes kwanzas no bolso...

"vai ter de resolver-se a política de estrangeiros em Portugal" - já se resolveu, mas apenas "no papel". Foi em Março do ano passado que a luta contra a xenofobia (ao fim de 5 anos!) obrigou a FPB a transpor para os regulamentos internos das competições o que foi, há muito, estipulado pela FIBA Europa para as suas competições, no seguimento dos acordos legais europeus anteriormente estabelecidos. Depois veio um bando de dirigentes preguiçosos, incompetentes e medrosos que, com um "pacto de cangalheiros" tenta hoje perpetuar um cenário de "século passado". Aliás, o único cenário em que se sentem confortáveis porque não têm que fazer qualquer prospecção e continuam a ser vistos como "os reis do seu bairro"...

"Uma vez que não querem participar nas competições europeias, os clubes devem adaptar-se a ter apenas dois estrangeiros. Não faz sentido ter mais apenas para competição interna." - NÃO QUEREM??? E isto é de "quereres"??? A FPB deve criar mecanismos que estimulem essa participação e penalizar seriamente quem, após conquistar esse direito, não o consiga honrar. Porque é a imagem do País que todos os anos é desrespeitada e diminuída a nível internacional. Já agora, os clubes também não querem perder jogos.... Já alguém pensou nisso? Na mesma linha de pensamento, presumo que a solução "medrosa" para isso é todos os jogos passarem a acabar em empate!!... Preparem-se...
Contudo, se o que está a dizer é que devemos ter só 2 estrangeiros (extra-comunitários) e os restantes podem ser cidadãos europeus, com uma discriminação positiva para os portugueses (por exemplo, cada clube ser obrigado a ter um número mínimo de seleccionáveis nacionais) então estamos de acordo. Aliás, esta é a prática generalizada na Europa. Duvido é que uma cabeça que produz tanto disparate pretenda afirmar isso...

"o basquetebol português vai definhar de tal maneira, que, se calhar, vai acabar" - enquanto tivermos um seleccionador xenófobo, não tenho qualquer dúvida que sim, que continuará a definhar! Mas acabar não acaba, apesar destas suas ameaças e deste "medo imposto" por parte de quem deveria liderar o sonho. Acredite, Mário Palma, acabaremos nós todos muito mais depressa do que o basquetebol português! Pena ter que ser eu a dizer-lhe isto...

"De uma vez por todas, temos de perceber que durante dois ou três anos vamos ter de olhar fundamentalmente para os jogadores portugueses. Desenvolvê-los. Pô-los a trabalhar melhor" - dois ou três anos?? DOIS OU TRÊS ANOS?? E depois desse prazo que, aparentemente, ou é um laivo de imbecilidade ou é o que lhe dá jeito "pessoalmente"? A mim parece-me que o "olhar fundamentalmente para os jogadores portugueses" deve ser um trabalho diário, continuado e, sobretudo, perpétuo! Estamos todos cansados de dirigentes que olham fundamentalmente para o seu prestígio social e de treinadores que olham fundamentalmente (e com toda a legitimidade) para os seus kwanzas.

"É claramente frustrante trabalhar um ou dois meses a tentar preparar uma equipa nestas condições. Assim o basquetebol português não tem futuro, não vai a lado algum. Há que renovar a seleção, mas isso é muito difícil, se os jovens não têm competição" - Há que renovar imediatamente a seleção, começando com a equipa técnica! Um treinador é um vendedor de sonhos, não de desânimo ou de um futuro sem expectativas! A renovação dos atletas é também urgente, mas depois desta verborreia passou imediatamente para segundo plano...
Claro que é frustrante preparar uma equipa à distância sem sentir diariamente os pavilhões do nosso País. Claro que é frustrante achar que os jovens não têm competição só porque a xenofobia instalada e uma década de passividade dos treinadores baixou sobremaneira a qualidade da mesma. Claro que é frustrante "trabalhar dois ou três meses"... Trabalhe mais! Sobretudo, trabalhe melhor!! Mas não ofenda quem diariamente trabalha para ser melhor e jogar contra os melhores. Quem acredita que é possível termos um País que cumpra as leis europeias, que respeite os direitos das pessoas (cidadãos europeus, como nós) e, como consequência dessa coragem, acredita que é possível sermos campeões da Europa, do Mundo e Olímpicos!


Resumindo, parece-me que chegou a hora do senhor seleccionador nacional sair pela porta que escolheu: a da xenofobia! Podia sair por outra, mas a escolha foi feita pelo próprio!
A este respeito partilho aqui convosco alguns links que podem ajudar a contextualizar os absurdos proferidos por quem insiste em tentar convencer-nos de que somos mais pequenos do que efectivamente somos...


Aíto Garcia Reneses à ANTB - a antítese do que defende Mário Palma, expressa por alguém a quem todos reconhecemos facilmente mais competência para renovar selecções e formar jovens para virem a jogar com os melhores do Mundo.
Livro Branco sobre o Desporto (2007) - recomendo a leitura atenta dos pontos 2.5, 2.6, 2.7, 4.1 e 4.2.
FIBA Europe Regulations - recomendo a leitura atenta do documento "Regulations for European Club Competitions", nomeadamente o artigo n.º 32.
FPB Regulamento de Provas - recomendo a leitura atenta do artigo 184º, "Elegibilidade dos Jogadores".

1 comentário:

  1. graças a deus alguém com eles no sítio para confrontar este senhor que tem a mania que sabe tudo, e que nestes últimos anos quis tanto contribuir com a basket português que se pôs ao longe. este senhor demonstra um total desconhecimento do basket português...e ainda criticou o prof. jorge araújo quando este disse algumas verdades...

    ResponderEliminar